NEWS

Tratamento para retinopatia da prematuridade

Pesquisa do National Eye Institute (NEI) apontou que crianças podem se benificiar com um tratamento precoce para a retinopatia da prematuridade (ROP).Este estudo estabeleceu o padrão de cuidados para recém-nascidos com ROP, mostrando que o tratamento precoce dos selecionados de alto risco tem resultados positivos a longo prazo sobre a saúde ocular.
Em risco estão as crianças geralmente nascidas antes de 31 semanas de gestação e com baixo peso e em cerca de 90 por cento dos recém-nascidos com ROP têm uma forma leve que requer tratamento, mas aqueles que têm uma forma mais grave pode desenvolver deficiência visual ao longo da vida.Esse estudo de longo prazo tem evidências de que bebês com ROP devem ser tratados com estratégias diferentes em função do risco de uma criança para uma forma grave da doença, que pode ser determinado através de exames específicos logo após o nascimento. 
Essa primeira fase do estudo teve como objetivo descobrir se os médicos podem identificar crianças com maior risco de progressão da doença e intervenção precoce para melhorar sua visão.Anteriormente, os médicos tratavam recém-nascidos com ROP quando tinham um risco estimado de descolamento de retina em 50 por cento dos casos.Embora este foi um achado importante, muitas crianças ainda podem desenvolver doença grave nos olhos.Esse estudo seguiu as mesmas 370 criancas até os 6 anos de idade através de exames periódicos.Os pesquisadores analisaram ainda a evolução de eventuais problemas apontados e mostraram que há grande diferença de prognóstico de olhos das crianças avaliadas que foram cuidadosamente monitoradas para a progressão da doença através do protocolo padrão.
Fonte:National Eye Institute.

Throw away your reading glasses?

Maybe. New kinds of artificial lenses are offering many seniors an option for improving their vision as part of cataract surgery.

Cataracts are a fact of life and a natural part of aging that results in clouding vision. Left untreated, cataracts can lead to vision loss that can really cramp your style. People with cataracts have more car accidents, are more likely to suffer injuries from falls, and tend to withdraw from social activities and other interests. Thus cataract surgery, which restores vision, is one of the most common surgical procedures for older Americans. It’s also one of the most important procedures in terms of maintaining a good quality of life, because it helps you remain active and involved.

Treatment for cataracts requires the removal of the eye’s natural lens, a structure within the eye located behind the iris. Following removal of the cataract-damaged lens during surgery, an artificial lens is implanted. Conventional artificial lenses typically give patients good distance vision, restoring their ability to drive and perform most daily tasks. However, patients usually need to wear reading glasses to see clearly at near distances. This kind of conventional cataract surgery is paid for by Medicare.

Recently, new, high-technology artificial lenses have been approved by the U.S. Food and Drug Administration. They help patients see near for reading and close work, and far for things such as driving. In clinical trials for one of the lenses, about 80 percent of patients said they no longer need to use reading glasses. For other patients, glasses were still needed, at least for some tasks.

The option for patients interested in reducing or eliminating their dependence on reading glasses is that they can choose to pay the extra cost for high technology lenses. Medicare will pay part of the cost of surgery, but it will not cover the high technology lenses and the additional examinations.

Are these lenses for you? “It depends on how much you value reduced dependence or freedom from glasses,” said I. Howard Fine, M.D., an ophthalmic surgeon and chairman of the American Society of Cataract and Refractive Surgery (ASCRS) Foundation. “Patients must have realistic expectations. While these lenses represent a giant step forward in vision restoration, they do not offer perfection. Patients should work closely with their ophthalmologist to decide if it’s right for them,” he added.

For more information on cataract surgery and high technology artificial lenses, visit the Eye Surgery Education Council patient information website Read Clearly Again at www.readclearlyagain.org, or ask your local ophthalmologist. The website offers explanatory videos, in-depth information on vision restoration, and information from the U.S. Food and Drug Administration trials about these exciting new lenses.

Terapia com DNA controla glaucoma de camundongo

Com terapia gênica, cientistas da UFRJ impedem a morte de células da retina.Em fase inicial, pesquisa feita com roedores abre perspectiva otimista para o uso do método com seres humanos no futuro.Um grupo de cientistas conseguiu con trolar o glaucoma em camundongos usando trechos de DNA para impedir a morte de células da retina.A técnica, desenvolvida na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), é um tipo de terapia gênica-processo que busca desligar informações genéticas que possam gerar doenças.
”Quero reforçar que é algo muito inicial, mas nós conseguimos reduzir em 100% a morte de células da retina’’, diz Rafael Linden, pesquisador do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da UFRJ.O glaucoma é a perda gradual de visão causada pela morte de células da retina que captam a luz. 
Após oito anos de pesquisa, o grupo radicado no Rio de Janeiro conseguiu identificar um dos mecanismos genéticos por trás da doença.Só agora, portanto, os cientistas podem tentar desativar esse processo e impedir o surgimento do problema de visão.
Um dos gatilhos do surgimento da doença – que afeta 70 milhões de pessoas no mundo e 2 milhões no Brasil-é a escassez de uma proteína específica da retina, algo que a torna mais frágil.A vulnerabilidade das células ganglionares da retina à morte celular é a chave para controlar o glaucoma e as neuropatias ópticas hereditárias.
A proteína identificada pelos pesquisadores foi alvo de estudo porque, quando existe uma lesão no nervo óptico, ela deixa de ser sintetizada a partir do DNA.A conseqüência disso, é o início da morte de células da retina.
A pergunta científica feita pelos pesquisadores foi direta:poderia uma superprodução dessa proteína específica impedir a morte de células da retina?
É exatamente nesse ponto que entra a terapia gênica.Os primeiros experimentos feitos com os camundongos com glaucoma mostram que a resposta a pergunta é sim.
Por meio de um vírus atenuado, preparado geneticamente para expressar a proteína que evita a morte celular na retina, os cientistas bloquearam o processo genético que, em última análise, faz surgir o glaucoma.
‘’Temos que montar agora um modelo mais concreto antes de partir para os testes pré-clínicos’’, lembra Linden.(Fonte:Folha de S.Paulo).

Presbyopia Surgery

Surgery Options
Presbyopia Surgery
About

——————————————————————————–

Presbyopia (sometimes called age-related focus dysfunction) occurs when the lens and muscles of the eye lose some of the strength and flexibility needed to focus on near objects. Eventually, nearly everyone develops some degree of presbyopia. It’s why most people need reading glasses or bifocals at some point in their lives.

Advanced techniques for presbyopia treatment make it easier than ever to correct presbyopia permanently-often making it possible to see without glasses, including reading glasses.

There are two major types of presbyopia treatment-both are surgical procedures. Your specific medical needs and personal preferences will determine which is right for you.

Presbyopia Laser Vision Correction (also called LASIK monovision) corrects one eye to focus on far objects, while the other is corrected to focus on near objects. Your brain learns to coordinate the two images, so you have both far and near vision. If you also have some refractive error (like nearsightedness, farsightedness or astigmatism), it can be addressed at the same time-often allowing you to see without glasses or reading glasses.

Presbyopia Lens Replacement Surgery (also called refractive lens exchange) replaces the natural lens in your eye with an advanced artificial lens, called an intraocular lens or IOL. It corrects presbyopia and cataracts at the same time, so you won’t have to have another surgery later in life. You can usually also correct nearsightedness, farsightedness or astigmatism at the same time, as well, so that you will be able to see without glasses or reading glasses.

Finding the right presbyopia treatment for you

Here are a few special guidelines for choosing the right presbyopia treatment for you:

Patients over 50 years of age are generally better served by lens replacement surgery because it treats or prevent cataracts, which can cloud the vision and often develop as early as mid-50s. 
Nearsighted patients under age 50 are generally better served by presbyopia laser vision correction. 
Astigmatic patients under age 50 may also be better served by presbyopia laser vision correction, depending on the degree of astigmatism.
Both presbyopia treatment surgeries are widely practiced and are among the safest and most effective surgical procedures performed today. Talk with your eye doctor about which presbyopia treatment is right for you.

Phase II trial of VEGF trap-eye shows improved visual acuity in wet AMD patients

Phase II trial of VEGF trap-eye shows improved visual acuity in wet AMD patients
Regeneron Pharmaceuticals, Inc. and Bayer HealthCare AG have announced that VEGF trap-eye achieved durable improvements in visual acuity and in biologic measures of neovascular disease, including retinal thickness and active choroidal neovascularization lesion size, for up to one year in a phase II study of the neovascular form of wet AMD.

Pesquisa mostra causas do trauma ocular

Segundo levantamento realizado no Hospital São Geraldo, da Universidade Federal de Minas Gerais, as lesões do globo ocular na infância correspondem a uma considerável parcela dos casos de cegueira infantil no Brasil e refletem a grande exposição da criança ao trauma, sobretudo o ocular.O objetivo do trabalho, que analisou 4940 prontuarios do setor de plástica ocular, foi verificar a freqüência dos tipos de trauma na faixa etária de 0 a 15 anos de idade.Destes, foram encontrados 643 pacientes portadores de cavidades anoftalmicas admitidos no período de dezembro de 1970 a junho de 2005, dos quais 167 correspondiam a pacientes que perderam o globo ocular na faixa etária de 0 a 15 anos.As causas mais frequentes de perda do globo ocular nessa faixa foram trauma (60,48 %), infecções (12,57 %) e retinoblastoma (26,95 %).Em relação a distribuição de causas por tipo de trauma, foi encontrada a seguinte proporção acidentes domésticos (48,51 %), arma de fogo (5,94 %), automobilísticos (1,98 %), recreativas extradomiciliares (5,94 %), trauma cirúrgico (1,98 %) e por violência interpessoal (1,98 %).Em 33,66 % dos prontuários analisados o mecanismo causador do trauma não foi descrito.Com isso, reforça-se um dado muito importante para a saúde ocular brasileira os acidentes domésticos prevalecem como importante causa de cavidade anoftalmica em pacientes menores de 15 anos de idade.
Fonte UFMG Revista Medica de Minas Gerais.

Gene-based AMD treatment shows potential

Gene-based AMD treatment shows potential 
A gene-based treatment for age-related macular degeneration (AMD) demonstrated safety and tolerability at 1 month in a Phase I study, developer Oxford BioMedica (Oxford, U.K.) said in a news release.
RetinoStat is designed to treat wet AMD using the company’s proprietary LentiVector gene delivery technology, and is part of the development agreement between Oxford and Sanofi (Paris). 
The ongoing Phase I study will enroll 18 patients with wet AMD at the Wilmer Eye Institute (Baltimore). The study will evaluate three dose levels and evaluate safety, aspects of visual acuity, and ocular physiology. The preliminary 1-month results, which evaluated the first dose level in three patients, found RetinoStat to have a favorable safety profile with no serious adverse events or signs of inflammation in the eye. In addition, Oxford BioMedica has begun a Phase I/II study of StarGen, a gene-based treatment for Stargardt’s disease. The first patient in this study was treated this month at the Oregon Health & Science University’s Casey Eye Institute (Portland). StarGen has received Orphan Drug Designation in the United States and Europe, Oxford said.

FDA approves aspheric toric IOL for cataract patients with astigmatism

FDA approves aspheric toric IOL for cataract patients with astigmatism
Alcon, Inc. announced that the U.S. Food and Drug Administration (FDA) approved its aspheric AcrySof IQ Toric IOL. Alcon will launch the new IOL next month.

Europe expands indications for Lucentis

The European Commission has granted Novartis (Basel, Switzerland) a new indication for Lucentis (ranibizumab) to treat patients with visual impairment due to diabetic macular edema (DME), Novartis said in a news release.
Laser therapy, the current standard of care for DME, has provided stabilization of vision in many patients but generally does not improve vision. Lucentis is “the first licensed therapy to significantly improve both vision and vision-related quality of life in patients with visual impairment due to DME,” Novartis said.
The approval of Lucentis was based on data from two Novartis-sponsored clinical trials, RESTORE and RESOLVE, which showed Lucentis was superior in providing rapid and sustained visual acuity gain versus sham therapy or laser therapy. The RESTORE study showed patients treated with Lucentis alone or with Lucentis plus laser therapy gained an average of 6.8 letters and 6.4 letters, respectively, in visual acuity at 12 months compared to baseline, while laser-treated patients gained an average of 0.9 letters as measured on a standard Early Treatment of Diabetic Retinopathy Study eye chart. The RESOLVE study showed that Lucentis-treated patients gained an average of 10.3 letters in visual acuity at 12 months compared to baseline while sham-treated patients, some of whom also received laser treatment, lost an average of 1.4 letters. 
Lucentis was generally well tolerated in DME clinical studies, either when given as monotherapy or when combined with laser treatment. Its safety profile was consistent with the well-established profile in patients with wet age-related macular degeneration (wet AMD). There was an incidence of arterial thromboembolic events observed in the DME clinical trials, consistent with what was seen in the wet AMD clinical trials, with no significant difference between the groups treated with Lucentis compared to sham or laser therapy. Ocular adverse events were similar to those seen in the wet AMD trials, with an incidence of 1.4% endophthalmitis in the pooled pivotal studies, Novartis said.

Estudo OHTS mostra que a cirurgia de catarata reduz a PIO

Esta análise dos participantes do Estudo de Tratamento da Hipertensão Ocular (Ocular Hypertension Treatment Study- OHTS) incluiu pacientes (63 olhos) submetidos à cirurgia de catarata em pelo menos um olho e os comparou aos controles (743 olhos) que não foram submetidos à cirurgia de catarata. A cirurgia reduziu a PIO em 4,0 mmHg, resultando em um decréscimo de 16,5% em relação aos índices pressóricos pré-operatórios. Esse efeito foi mantido por pelo menos um ano, mas diminuiu ao longo dos próximos dois anos. Aqueles com uma maior PIO pré-operatória tiveram uma maior redução percentual na PIO pós-operatória. Ophthalmology, Setembro 2012.

Crosslinking corneano para manejo do ceratocone demonstra bons resultados de um ano de seguimento

Esse estudo prospectivo aleatorizou 58 pacientes (71 olhos) com ceratocone ou ectasia de córnea pós-LASIK para crosslinking do colágeno corneano ou sham. Um grupo controle com os olhos contralaterais também foi analisado. Após um ano, a valor do K máximo melhorou significantemente no grupo ceratocone, mostrando um aplanamento de 2,0 D comparado com ausência de alteração significante no grupo controle. Uma pequena alteração de 1 D ocorreu no grupo ectasia, sem, entretanto, significância estatística. A acuidade visual (AV) média para distância com e sem correção também melhorou. Tanto a AVcc quanto o K máximo pioraram entre o exame de base e o primeiro mês, melhorando em seguida até o sexto mês e, a partir de então, mantendo-se estáveis. Journal of Cataract & Refractive Surgery, Janeiro 2011.

Contra a degeneracão macular relacionada a idade

Pesquisadores americanos descobriram um gene que, quando defeituoso, provoca degeneração macular relacionada à idade (DMRI) em sua forma seca.Liderado pelo professor de oftalmologia e genética humana Kang Zhang, do Centro de Visão Shiley, da Universidade da Califórnia, em San Diego, o estudo publicado na revista New England Journal of Medicine identificou o primeiro gene associado à doença:a molécula TLR 3, que alerta o sistema de defesa do organismo sobre a presença de infecções por vírus.Segundo Zhang, pessoas com uma determinada mutação no gene ligado à TLR 3 se tornam vulneráveis à DMRI, e por algum motivo a mutação faz com que a molécula acabe levando à morte das células da mácula.Os testes genéticos podem identificar as pessoas suscetíveis ao desenvolvimento da doença e assim ajudar no trabalho de prevenção.(Fonte:Revista Universo Visual.)

Contra a cegueira causada pelo diabetes

Pesquisadores brasileiros descobrem que a retinopatia diabética pode ser detectada antes que ocorram as primeiras lesões na retina

Depois da catarata, a retinopatia diabética é a maior causa de cegueira no Brasil em pessoas com mais de 60 anos.Caracterizada por lesões nos vasos da retina, provocadas pelo excesso de glicose no sangue, a doença avança lenta e silenciosamente.Os pacientesdescobrem-se portadores do distúrbio quando a visão já está, em menor ou maior grau, comprometida.Quem flagra a doença mais cedo, caso da metade dos pacientes, consegue retardar seus efeitos mais sérios.Os que recebem o diagnóstico tardiamente só conseguem controlar a retinopatia por meio de tratamentos invasivos, como injeções e aplicações de laser.Liderados pela neurocientista Mirella Gualtieri, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) constataram que, antes de danificar os vasos sanguíneos, o diabetes interfere na comunicação elétrica entre os neurônios da retina.Essa interferência que se manifesta antes que ocorram as primeiras lesões, pode ser identificada por exames específicos.A expectativa é que, com a descoberta brasileira, tais exames entrem para os protocolos de prevenção da retinopatia.
De acordo com o Ministério da Saúde, o diabetes, em especial o do tipo 2, costuma ser e diagnosticado entre sete e dez anos depois do início da infermidade, com o aparecimento dos primeiros sintomas.Em cada quatro doentes, três não se tratam adequadamente.Ou seja, estão sujeitos às diversas complicações causadas pelas altas taxas de glicemia no sangue.Para se ter uma idéia do que isso representa, 7 milhões de brasileiros são portadores de retinopatia diabética.Já está provado que o monitoramento rigoroso do diabetes reduz em quase 80% os riscos de danos na retina.”Quanto mais cedo conseguimos identificar essas alterações, maior é a chance de o paciente preservar a saúde da visão” , diz Francisco Max Damico, oftalmologista do Hospital Sírio –Libanês e um dos orientadores da pesquisa da USP.
O trabalho brasileiro teve como ponto de partida experiências realizadas no exterior com ratos de laboratório.Nos animais, as falhas de comunicação entre neurônios da retina começaram a ocorrer dois anos antes do surgimento das primeiras lesões nos vasos.Os pesquisadores da USP concluíram que, em seres humanos, o processo é semelhante.Para medir a atividade elétrica dos milhões de neurônios existentes na retina dos nossos olhos, eles recorreram, por exemplo, à eletrorretinografia multifocal.Em uso desde o início dos anos 2000, para o rastreamento de doenças congênitas raras e intoxicações por medicamentos, o exame funciona como um eletrocardiograma do olho.O paciente tem o olho anestesiado com um colírio e permanece por vinte minutos no escuro, de modo a reduzir ao máximo a atividade dos neurônios.Em seguida, por meio de uma lente de contato conectada a um eletrodo, ele é submetido durante vinte minutos a uma descarga de 101 flashes.O eletrodo registra como os neurônios da retina reagem aos estímulos luminosos e transfere essas informações para um computador.Os pesquisadores constataram que 55% dos pacientes diabéticos que não têm o diagnóstico da retinopatia pelo método tradicional, feito por lente de aumento, apresentam alterações quando submetidos a uma eletrorretinografia multifocal.Ou seja, estão a caminho de desenvolver a doença.Os resultados obtidos pela equipe de Mirella Gualtieri serão publicados até o início de 2010 na revista americana Investigative Ophthalmology and Visual Science, uma das mais prestigiosas publicações da área oftalmológica.
(Fonte:Revista Veja)

Consumo moderado de álcool é associado à menor incidência de catarata

Foi utilizado um questionário administrado pelo entrevistador para coletar informações sobre o consumo de álcool entre participantes do Blue Mountains Eye Study que foram acompanhados por cinco a 10 anos. Os pesquisadores não constataram associação entre o consumo de álcool e o risco de cirurgia de catarata a longo prazo. Entretanto, após ajuste para idade, gênero, tabagismo, diabetes, miopia, condições sócio-econômicas e uso de esteróides, os participantes que consumiam uma a duas bebidas alcoólicas por dia tiveram uma menor incidência de cirurgia de catarata comparados àqueles de consumo mais intenso ou aos abstinentes. American Journal of Ophthalmology, September 2010

Consumo de alimentos do mar ricos em ácidos graxos ômega-3 podem proteger contra DMRI avançada

Consumo de alimentos do mar ricos em ácidos graxos ômega-3 podem proteger contra Degeneracão Macular Relacionada à Idade (DMRI) avançada
Um questionário de frequência alimentar foi usado para estimar o consumo semanal de peixes e frutos do mar em uma amostra aleatorizada de 2391 residentes de Salisbury, EUA com idade entre 65 e 84 anos. Aqueles com DMRI avançada foram significantemente menos propensos a consumir peixes ou frutos do mar com alto teor de ácidos graxos ômega-3. Entretanto, esse efeito protetor não foi observado para drusas grandes ou anormalidades pigmentares. Nenhum efeito protetor foi detectado com o consumo de caranguejo ou ostras, que têm elevados níveis de zinco. Ophthalmology, Dezembro 2010

Consumo de álcool pode agravar olho seco

Pesquisadores analisaram o filme lacrimal e alterações na superfície ocular em 10 indivíduos sadios e controles que bebiam uma dose medida de álcool durante o jantar. O álcool foi secretado na lágrima por quatro horas depois da ingestão, resultando em um aumento médio da osmolaridade lacrimal comparado com os controles (P<0,001) e um BUT significantemente menor (P<0,001) após quatro horas e na manhã seguinte. Os autores também mostraram maiores escores de impregnação por fluoresceína na manhã seguinte. Eles concluem que o álcool pode induzir síndrome do olho seco transitória e pode agravar os sinais e sintomas do olho seco. Ophthalmology, May 2012

Células-tronco para saúde ocular

Uma técnica desenvolvida por cientistas do North East England Stem Cell Institute (NESCI), na Inglaterra, beneficiou pacientes com graves problemas na córnea.A equipe do NESCI conseguiu uma quantidade de células-tronco límbicas de um olho bom e a partir daí as outras cresceram em laboratório, foram implantadas num olho danificado, quando então começou a funcionar normalmente e restaurou a visão do paciente.A nova técnica evita a necessidade de drogas para suprimir a imunidade e também pode ser usada para tratar pacientes cujos olhos foram danificados por lentes de contato, em acidentes que envolvem ferimentos térmicos ou químicos entre outras doenças corneanas.E também o primeiro no mundo que não usa produtos de origem animal para ajudar a crescer as células-tronco em laboratório.Dessa forma há poucas chances de as células-tronco implantadas serem rejeitadas.Atualmente, um estudo envolvendo 24 pacientes novos esta em andamento e será financiada no Reino Unido pelo Medical Research Council.
Fonte NESCI

Bevacizumabe é mais efetivo que laser na ORVCR

Esta série prospectiva de casos comparou a eficácia a longo prazo da fotocoagulação a laser em grid com bevacizumabe intravítreo para o edema macular por oclusão da veia central da retina. Foram incluídos 44 pacientes com edema macular persistente após 12 meses de terapia com bevacizumabe que foram tratados com fotocoagulação a laser em grade (grid), e vice-e-versa, e acompanhados por mais 12 meses. A troca de tratamento causou uma redução significante na espessura central da retina entre os não-respondedores em ambos os grupos, apesar da resposta ser mais tardia no grupo laser. Além disso, o grupo bevacizumabe apresentou acuidade visual corrigida significantemente melhor (0,2 vs 0,5 logMAR; p<0,04). British Journal of Ophthalmology, Fevereiro 2013

Anel intraestromal parece satisfatoriamente efetivo no ceratocone moderado a grave

SAIC parecem satisfatoriamente efetivos no ceratocone moderado a grave
Este estudo prospectivo avaliou os primeiros 100 casos de implante de segmentos de anel intraestromal corneano (SAIC) de Ferrara em um único centro. Aos seis meses de pós-operatório, a AV corrigida para distância permaneceu inalterada em 27% dos casos e melhorou entre uma e seis linhas em 64% dos casos, embora 9% tenham perdido uma ou duas linhas. Os seguintes valores médios foram reduzidos: equivalente esférico refrativo médio de -3,60D para -2,52D), cilindro refrativo (de 5,18D para 2,90D), K simulado (de 51,16 para 48,11) e cilindro topográfico (de 5,30D para 3,80D). Journal of Cataract & Refractive Surgery, Junho 2011

Alto consumo de antioxidantes pode reduzir o risco de DMRI precoce nos pacientes com predisposição genética

Pesquisadores avaliaram o consumo de antioxidantes, zinco e ácido graxo ômega-3 por meio da alimentação diária em 2167 indivíduos entre 55 anos ou mais com risco para DMRI e participantes do Rotterdam Study. Os participantes completaram um questionário de frequência alimentar semiquantitativo inicial e foram submetidos a testes genéticos. Após um seguimento de cerca de oito anos, os autores constataram uma possível interação biológica entre o genótipo CFH Y402H e o consumo de zinco, β-caroteno, luteína/zeaxantina e ácido eicosapentaenóico/docosahexaenóico (EPA/DHA) e também entre o genótipo LOC387715 A69S e o consumo de zinco e EPA/DHA , baseando-se em índices significantes de sinergismo (P<0,05 para todos). Archives of Ophthalmology, Junho 2011

Alerta ao uso indevido de colírio

De acordo com um estudo de iniciação científica realizado em 2007 por alunos de graduação em oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo, a instilação inadequada de colírios, além do prejuízo na terapêutica antiglaucomatosa, implica em elevado custo do tratamento, fator limitante à aderência do paciente com conseqüente insucesso terapêutico.Com o objetivo de identificar as principais variáveis que interferem na instilação correta do colírio, a pesquisa mostrou que 60% dos 40 pacientes participantes atendidos no ambulatório da Unifesp usam de forma incorreta o medicamento.Entre as conclusões, a equipe identificou a falta de orientação médica como a maior responsável pela utilização inadequada, seguida por ardor e falta de outra pessoa para pingar o colírio.Atualmente, o sistema de saúde pública não permite tempo para uma aula sobre a utilização do medicamento, portanto, essas orientações devem ser passadas de forma coletiva.Daí a importância de associações que assistem pacientes e de materiais didáticos informativos que ensinem as pessoas a se medicar corretamente.(Fonte:Revista Universo Visual).